domingo, 31 de julho de 2016

IKEA: um dia, alguém vai para lá viver

Noutro dia, fui ao IKEA. Jantar. A primeira impressão foi esta: os móveis são razoáveis, as almôndegas são óptimas.

(rarye/Flickr)

Tudo o que eu julgava saber estava errado. Não sobre almôndegas, porque toda a gente sabe que as almôndegas são um animal herbívoro, que vive em regiões de baixa vegetação. Da mesma forma que o cão é um parente do lobo e que o gato é um parente do leão, a almôndega é parente do hambúrguer. Só que o hambúrguer rasteja, enquanto que a almôndega rebola. A característica que eu considero mais engraçada nas almôndegas é que, embora apenas o macho tenha testículos, tanto o macho como a fêmea parecem testículos.

Mas, voltando ao tema, tudo o que eu julgava saber estava errado. O IKEA é um restaurante bom com mobiliário razoável. Ou muitos restaurantes que eu conheço começam a vender mesas-de-cabeceira ou vão ter sérios problemas. No restaurante do IKEA, tudo tem bom aspecto: as entradas, os pratos, as sobremesas, aquele candeeiro a 16,99€.

O nível de cagança também é elevado. Há um chef a coordenar as operações, há funcionários sorridentes, há um abajur que se movimenta com um tabuleiro. Ah, peço desculpa, era só uma senhora com muita laca no cabelo à procura de lugar para se sentar.

Uma vez que o empreendedorismo está na moda, deixo algumas sugestões para complementar o principal negócio do IKEA, que é, como toda a gente sabe, a restauração.

Spa e salão de beleza
Escolher cores para móveis e cortinados, e carregar sacos de móveis por montar, dão cabo da mente e do corpo. Há alpinistas que treinam no IKEA, uma vez que, comparado com um ambiente agreste como este, o Everest parece uma ilha paradisíaca do Pacífico. Assim sendo, nada como um espaço onde os clientes pudessem descontrair, depois de uma jornada de compras.

Quartos para dormir
No IKEA já há quartos, mas são para vender. Neste caso, seriam mesmo para dormir. Uma vez que uma visita ao IKEA nunca permite comprar tudo o que se precisa, o ideal seria que os clientes pudessem lá passar o fim-de-semana.

Sex shop
Toda a gente sabe que a escolha de uma “chaise longue” pode provocar um enorme desgaste numa relação. Nada como uma sex shop, onde os casais poderiam apimentar as suas relações, depois de um cansativo dia de compras para casa.

Parque infantil
Escolher a cor dos cortinados é um processo que exige mais concentração do que uma partida de xadrez. Escolher a cor dos cortinados ou um candeeiro para a sala, com uma ou mais crianças aos berros, a pedirem para ir ao Toys’R’Us, é tarefa impossível. Com um parque infantil, as crianças estariam a divertir-se, enquanto a mãe suspirava por aquele roupeiro e o pai suspirava por ir embora.

Sala de projecção de vídeo
Em dias de jogos de futebol importantes, as senhoras poderiam passear à vontade, livres de confusões, pelo IKEA, enquanto que os homens ficariam sossegadinhos a ver futebol num ecrã gigante.

O objectivo do IKEA é que, uma vez dentro da loja, o cliente não consiga sair facilmente. Com estas ideias postas em práticas, não demoraria muito para que alguém se decidisse mudar para lá, de vez. Sempre pouparia tempo a carregar e a montar móveis. E haveria almôndegas todos os dias.

domingo, 24 de julho de 2016

Pokémon Go: como não jogar

Não se fala de outra coisa: Pokémon Go é o jogo do momento. Os órgãos de comunicação social, uma vez terminado o Europeu de futebol e com o Presidente da República quase de férias, ficaram sem assunto. Compreende-se: seja meia dúzia de ataques terroristas, um pouco por toda a Europa, ou a possibilidade de a União Europeia sancionar Portugal por causa do défice excessivo, não há nada de relevante para noticiar. Sendo assim, os jornalistas têm dedicado imenso tempo a falar do que realmente importa: o Pokémon Go.

(Shannon/Flickr)
Uma vez que já se fez uma boa dúzia de guias sobre como jogar, resolvi lançar algo inovador. Eis o guia sobre como não jogar.

Evita locais com elevada criminalidade
Nesses locais, encontras pokémons, mas mais depressa te encontram a ti. Vais à procura do ginásio de pokémons e acabas no matadouro. Quando te puserem as mãos em cima, vais desejar que estivesses dentro de uma pokébola.

Não jogues enquanto estiveres a pilotar aeronaves
Podes fazer um desvio para apanhar aquele Pidgey e ficar sem combustível. Depois, em vez de procurar pokémons, algumas pessoas vão ter que procurar uma caixa negra.

Evita procurar pokémons no gabinete do teu chefe
A não ser que ele te peça ajuda para apanhar aquele Charmander, nunca entres no gabinete do teu chefe para apanhar um pokémon. Podes acabar por ter que ir procurar o Pikachu no centro de emprego.

Não jogues debaixo de água
Não consegues respirar e, pior do que isso, o wi-fi é péssimo.

Não apanhes pokémons durante uma relação sexual
Não deves usar o telemóvel durante uma relação sexual. A não ser que queiras verificar o email, ver vídeos de gatinhos ou atender aquela chamada importante da tua avó.

Não jogues durante a condução de veículos terrestres
Nem é porque podes sofrer um acidente, porque isso é secundário. É só porque podes atropelar um Weedle.

Jogar no comboio também é má ideia
Há dias, um tipo que ia para o Porto teve que sair em Rio Tinto por causa de um Jigglypuff. Teve que esperar até às seis da manhã pelo comboio seguinte. Foi uma seca porque, durante essas horas, o servidor do jogo esteve em baixo.

Não jogues bêbado
Alguns pokémons, como o Eeevee ou o Mankey, têm bom olfacto e vão fugir com o teu bafo.

Cuidado se alguém estiver por perto a jogar Candy Crush
Noutro dia, enquanto um amigo meu jogava o nível 158 do Candy Crush, passou um Bulbasaur que lhe enfardou as gomas todas.

Num funeral, nem pensar
Vais para a cova atrás de um Diglett e levas com umas pazadas de terra em cima.

Não jogues se pilotares uma nave espacial
Acho que os criadores do jogo ainda não colocaram pokémons no espaço.

Numa sala de cinema, nem pensar
Detesto ser incomodado. Noutro dia, estava a meio de um filme qualquer e ouvi uma pokébola a apanhar um pokémon. Fez tanto barulho que até me acordou.

O Pokémon Go deve ser jogado com moderação. Que é o mesmo que dizer: "Faz pausas para comer, dormir e satisfazer necessidades fisiológicas".